Por que orar se Deus sabe todas as coisas?

Se Deus já sabe de tudo, para que orar?

A soberania de Deus e a responsabilidade humana é algo que não conseguimos compreender completamente. Afinal qual o impacto das decisões humanas diante da soberania de Deus? Diante disto surge a pergunta: Por que orar se Deus sabe de todas as coisas?

Muitos veem nesta pergunta um sinal de ofensa (ou rebeldia), mas eu vejo como um questionamento teológico válido. Se Deus é soberano, todo poderoso e infinitamente sábio e conhecedor de todas as coisas para que orar pedindo algo? Se peço algo, ele já sabe antes de eu pedir, então nem preciso pedir. Então para que a redundância do meu pedido? E no fim das contas Deus não vai fazer a minha vontade, mas a Dele. Então para que orar?

Orar pedindo algo a Deus parece estar em conflito com a soberania de Deus. Sabemos que tudo acontece (e apenas) de acordo com a vontade de Deus, logo de nada pedir algo fora da vontade Dele, pois o que é da vontade de Deus acontecerá de qualquer maneira.

Então, se Deus já sabe de todas as coisas, por que orar?

A resposta curta é que se até Jesus, mesmo sendo Deus, nunca deixou de orar, imagine nós que tanto precisamos de Deus. Se nosso Senhor Jesus Cristo não deixou de orar, quanto mais você e eu, precisamos orar diariamente.

A resposta intermediária é que na onisciência de Deus reside o pleno conhecimento de todas as coisas, que nada está oculto a Ele. Mas a onisciência não implica que Deus fará tudo o que você quer, sem que você peça. Portanto, é preciso pedir para receber. “Todo aquele que pede, recebe…” (Mateus 7:7)

Para quem quer uma resposta ainda mais completa, vamos repensar o conceito de oração. A oração não é uma “fórmula mágica” para ganhar de Deus o que quero. Usar a oração apenas como meio de obter as coisas da parte de Deus é um erro. Tiago diz que nós pedimos e não recebemos, porque pedimos para atender à nossa vontade.

Já pensou na insanidade que é o conceito da “oração contrária”? Pensar que alguém vai orar pelo mal e Deus vai fazer porque é uma oração? A ideia de que duas pessoas (ou mais) estão com pedidos conflitantes diante de Deus e, quem “orar mais forte”, ou quem orar “com mais poder” vai ganhar o que está pedindo?

Com a “oração contrária” em mente fica fácil entender quando a epístola de Tiago (4:3) diz: “Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres.”

Nossa oração modelo

Temos um bom modelo de oração na bíblia, oferecido pelo próprio Jesus Cristo. A conhecida oração do pai nosso (ou oração modelo), é um magnífico roteiro para orarmos e nesta oração não há ênfase em nossos problemas individuais.

Mateus 6:9-13: “- Portanto, orem assim: “Pai nosso,que estás nos céus, santificado seja o teu nome; venha o teu Reino; seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; o pão nosso de cada dia nos dá hoje; e perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós também perdoamos aos nossos devedores; e não nos deixes cair em tentação; mas livra-nos do mal [pois teu é o Reino, o poder e a glória para sempre. Amém.”

Vamos revisar passo a passo:

  • Versículo 9: Declaração da Soberania e Santidade de Deus.
  • Versículo 10: Submissão plena à vontade de Deus.
  • Versículo 11: Reconhecimento que o Senhor cuida diariamente.
  • Versículo 12: Confissão de pecados.
  • Versículo 13: Declaração da nossa incapacidade de ser santos sem a ajuda do Senhor, seguido de pedido de proteção e, finalização com a declaração da soberania, poder e glória de Deus.

Uma análise da oração modelo esclarece qual deve ser o teor da oração, e qual nosso papel quando oramos. E como vimos a oração não se resume a um ritual de pedir coisas a Deus. A oração é uma aproximação com Deus por meio de palavras ou pensamentos, seja em particular ou em público.

Os vários elementos na oração

A oração possui vários elementos, e que não devem ser esquecidos. Orar a Deus inclui:

  • confissão de pecados (Salmos 51),
  • adoração a Deus (Salmos 95.6-9; Apocalipse 11.17),
  • comunhão (Salmos 103.1-8),
  • gratidão (1 Timóteo 2.1),
  • intercessão pelos outros (Romanos 10.1), e
  • pedidos pessoais (2 Coríntios 12.8)

Ainda assim para que a oração seja atendida é preciso ser purificado (Salmos 66.18), orar com  fé (Hebreus 11.6), ter uma vida em união com Cristo (João 15.7), submissão à vontade de Deus (1 João 5.14-15 e Marcos 14.32-36). E não podemos fazer nada sem a direção do Espírito Santo (Judas 20), sem com espírito de perdão (Mateus 6.12) e nossa oração só será ouvida se nosso relacionamento com outras pessoas for correto (1 Pedro 3.7).

E agora que sabemos de tudo isto, vamos orar?

Por: Ricardo Moreira Braz do Nascimento

Referências Bibliográficas

_____. Biblia de Estudos NTLH, Sociedade Bíblica do Brasil 2010
_____. Enciclopédia de Estudos de Teologia. Editora Semeie
CHAMPLIN, Russell Norman. O Novo Testamento Interpretado: versículo por versículo: Volume 4: São Paulo: Hagnos, 2002.
SINCLAIR, Ferguson B. Novo Dicionário de teologia. São Paulo: Hagnos, 2009

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

Site criado com WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: